Cuba homenageia Fidel Castro nos 85 anos do líder

Todos os meios de comunicação cubanos, artistas da música e das artes plásticas, jovens e até transexuais homenagearam neste sábado o líder Fidel Castro, que completa 85 anos, cinco deles afastado do poder por problemas de saúde.

Na ausência do "Comandante", 22 artistas de nove países participaram da "Serenata da FIDELidade", uma homenagem no teatro Karl Marx de Havana, o maior de Cuba, diante de 5 mil convidados, entre eles altos dirigentes do Governo.

Granma e Juventud Rebelde, os dois jornais nacionais, estamparam a comemoração em suas capas com as manchestes de "Cuba e América Latina cantaram a Fidel" e "América Latina nos ofereceu seu coração".

Um grupo de jovens da província de Holguín, 760 km a leste de Havana, montou um acampamento em Birán, junto à casa natal de Fidel e Raúl Castro, que substituiu seu irmão doente na presidência de Cuba desde julho de 2006.

O dia incluiu "festas culturais, apresentações de livros e doações voluntárias de sangue", dsise a Agência de Informação Nacional (AIN).

Nelson Domínguez, um dos mais reconhecidos artistas plásticos cubanos, e o fotógrafo Alex Castro, filho de Fidel Castro, abriram a exposição conjunta "Cavaleiro do Amanhecer" no memorial de José Marti, na Praça da Revolução, em Havana.

A televisão anunciou o painel "Fidel soldado das ideias" no espaço Mesa Redonda, "com a presença de reconhecidos intelectuais, jornalistas, esportistas e outras personalidades".

Aposentado em casa, Fidel dedica-se a ler e a escrever artigos sobre problemas mundiais, divulgados na imprensa oficial, embora não publique há pouco mais de um mês, e está concentrado em seguir o tratamento contra o câncer do presidente venezueano Hugo Chávez, a quem considera seu "herdeiro político".

Chávez concluiu na sexta-feira em Havana um segundo ciclo de tratamento de quimioterapia por um câncer retirado no dia 20 de junho.