Cuba homenageia Fidel Castro nos 85 anos do líder

Cuba celebrou neste sábado o aniversário de 85 anos do líder Fidel Castro com diversas atividades culturais e políticas, que lembram os 48 anos em que governou a ilha antes de se afastar do poder, em 2006, por uma grave crise de saúde.

Alguns dos artistas falaram diante das câmeras de televisão com a certeza de que Castro os assistia em casa, mas o homem, que foi quase onipresente na vida dos cubanos durante meio século, se absteve de aparecer.

"Damos um abraço de 10 braços e dizemos, feliz dia, comandante, feliz dia", disse a peruana Marcela Pérez, ao atuar na "Serenata da FIDELidade", que reuniu 22 artistas de nove países no teatro Karl Mark, o maior de Cuba, e que terninou nos primeiros minutos deste sábado.

Castro teve graves problemas intestinais em julho de 2006, quando entregou o poder ao seu irmão e sucessor designado, Raúl Castro, para iniciar uma lenta recuperação.

"Fidel completa 85 anos. Quem ia imaginar que faz apenas cinco anos, até os mais otimistas chegaram a pensar que seu corpo não resistiria à emboscada do destino, e que já não voltaríamos a vê-lo", escreveu Roberto Chile, seu cinegrafista pessoal, ao apresentar uma série fotográfica de antes e depois de sua recaída de saúde.

Recluso em sua casa no oeste de Havana, Castro dedica seu tempo, quando a saúde permite, a escrever artigos da imprensa, mensagens, livros históricos de sua revolução e receber visitantes.

Participa de poucas atividades públicas, ainda com limitações físicas e sob cuidado médico, e não interfere publicamente na gestão de governo de Raúl Castro, que empreendeu mais de 300 reformas para tornar eficiente o esgotado modelo econômico centralizado e tentar salvar o regime socialista.

As mais recentes fotos e artigos publicados de Fidel Castro se referem ao seu amigo e pupilo político, o presidente venezuelano Hugo Chávez, que foi operado no dia 20 de junho para a retirada de um câncer em Havana, onde na sexta-feira terminou seu segundo ciclo de quimioterapia.

O aniversário de Castro ocupou neste sábado as manchetes dos meios de comunicação nacionais, todos sob o controle estatal, e motivou acampamentos de jovens, exposições de pinturas e fotografias e apresentações de livros.

Um grupo de jovens da província de Holguín, 760 km a leste de Havan, realizou um acampamento em Birán, junto à casa natal de Fidel e Raúl Castro.

O dia incluiu "festas culturais, apresentações de livros e doações voluntárias de sangue", dsise a Agência de Informação Nacional (AIN).

Nelson Domínguez, um dos mais reconhecidos artistas plásticos cubanos, e o fotógrafo Alex Castro, filho de Fidel Castro, abriram a exposição conjunta "Cavaleiro do Amanhecer" no memorial de José Marti, na Praça da Revolução, em Havana.

A televisão anunciou o painel "Fidel soldado das ideias" no espaço Mesa Redonda, "com a presença de reconhecidos intelectuais, jornalistas, esportistas e outras personalidades".

Na noite de sexta-feira, um grupo de transexuais se reuniu no Centro Nacional de Educação Sexual (CENESEX), em Havana, para celebrar o décimo aniversário do Grupo de Promotoras Transexuais.

"Também, como não, vamos comemorar o aniversário do Comandante Fidel Castro", disse à imprensa Mariela Castro, diretora do CENESEX, filha de Raúl Castro e sobrinha de Fidel Castro.

No entanto, em Miami (sudeste dos Estados Unidos), capital do exílio anticastrista, um grupo de exilados cubanos desejou a Castro que "complete mais muitos anos, mas bem mal, assim como está".