Bolívia: indígenas farão protesto contra rodovia financiada pelo Brasil

Indígenas da Bolívia aprovaram nesta sexta-feira a realização na segunda-feira de uma passeata de 600 km - de Trinidad a La Paz - em defesa de uma reserva ecológica no centro do país, ameaçada por uma rodovia financiada pelo Brasil.

"Essa passeata começa no (próximo dia) 15, sem adiamento", afirmou o deputado e líder indígena da Amazônia, Pedro Nuni, que descartou participar de um diálogo convocado pelo governo do presidente Evo Morales.

Os indígenas do centro e da Amazônia boliviana opõem-se ao traçado de uma rodovia de mais de 300 km financiada pelo Brasil que passará pelo Território Indígena e pelo Parque Nacional Isiboro Sécure (TIPNIS), uma reserva nacional onde vivem cerca de 50.000 pessoas e rica em fauna e flora.

O "protesto é contra este governo insensível e soberbo que não quer entender esse direito dos povos indígenas" de preservar seu território, afirmou o legislador, deputado pelo partido de Morales.

O governo já começou a construir a primeira fase da rodovia, que no total terá 306 km, do povoado cocaleiro de Villa Tunari - reduto político de Morales - até San Ignacio de Moxos, na Amazônia.

O custo total da obra, que ainda não chegou à reserva indígena, é de 415 milhões de dólares, dos quais o Brasil financiará 332 milhões.

Nuni disse anteriormente que espera percorrer os 600 km por rotas de terra batida em mais de 40 dias, e lembrou que a declaração do TIPNIS como reserva foi resultado de outra passeata também realizada pelos indígenas há mais de 20 anos.