Morre o primeiro agente negro do Serviço Secreto dos Estados Unidos

O Serviço Secreto dos Estados Unidos, a agência que fornece os guarda-costas aos presidentes americanos, anunciou nesta quarta-feira a morte do primeiro negro a ser admitido como agente especial.

Gittens Charles, de 82 anos, prestou juramento no cargo em fevereiro de 1956, retirando-se em 1979, depois de uma carreira durante a qual foi escalado para a proteção de Dwight Eisenhower, John F. Kennedy e Lyndon Johnson.

"O legado de Gittens viverá com todos os que o conheciam, e com os que também se beneficiaram pelo caminho que abriu, estabelecendo novos padrões como o primeiro afro-americano agente do Serviço Secreto", disse o diretor do órgão, Mark Sullivan.

"Suas contribuições a esta agência e a este país nunca serão exageradas", dijo Sullivan em comunicado.

Quando mais jovem, Gittens também serviu ao Exército americano no Japão e na base militar de Fort Bragg na Carolina do Norte (leste).