Começa segundo julgamento à revelia de ex-presidente tunisiano

O segundo julgamento à revelia do ex-presidente tunisiano Zine El Abidine Ben Ali, acusado de posse de armas e entorpecentes, teve início nesta segunda-feira em Túnis, mas a audiência foi suspensa em poucos minutos, depois que os advogados de defesa abandonaram o tribunal.

No início da audiência, o presidente do tribunal, Tuhmi Hafi, constatou que "o acusado não estava presente e era considerado foragido".

Pouco depois, os advogados de defesa se retiraram, depois que o tribunal negou um pedido de adiamento.

"Não queremos participar deste julgamento e nos retiramos dele", declarou o advogado Hosni Beji.

O presidente Tuahmi Hafi decidiu então suspender a audiência, em meio a vaias.

Ben Ali, refugiado na Arábia Saudita, já foi condenado à revelia em 20 de junho, assim como sua esposa Leila Trabelsi, a 35 anos de prisão por corrupção.

O segundo julgamento diz respeito a acusações de posse de dois quilos de haxixe, armas e peças arqueológicas, apreendidas no palácio presidencial de Cartago, depois que fugiu para a Arábia Saudita em 14 de janeiro.