Presidente chinês adverte para corrupção no aniversário do PC

Durante uma cerimônia de gala para celebrar os 90 anos de fundação do Partido Comunista, o presidente chinês, Hu Jintao, advertiu para as "dificuldades do crescimento" e a ameaça da corrupção.

"O partido em seu conjunto enfrenta dificuldades de crescimento", declarou o presidente a dirigentes e a milhares de afiliados reunidos no Palácio do Povo de Pequim para comemorar a fundação do PCC.

O presidente Hu advertiu para a ameaça da corrupção, que "vai reduzir o apoio e a confiança do povo no partido".

Hu declarou também que "a incompetência de certos membros separados do povo" provocou problemas.

"É mais urgente que nunca para o partido impor a disciplina a seus membros", insistiu o presidente.

"O desenvolvimento do partido nos últimos 90 anos nos ensinou que sanções severas e uma prevenção real da corrupção são elementos chaves para ganhar ou perder o apoio do povo e para a vida vida ou morte do partido".

"A luta contra a corrupção continua sendo uma questão importante e o trabalho continua sendo árduo", completou Hu Jintao.

O ex-presidente Jiang Zemin não compareceu às celebrações do 90º aniversário do PCC, ao contrário dos ex-primeiros-ministros Li Peng e Zhu Rongji.

A imprensa de Hong Kong informou que Jiang, de 84 anos, teve problemas de saúde no início do ano e ainda não se recuperou completamente.

Jiang deixou a presidência em 2003, depois de comandar o país durante mais de uma década de forte crescimento econômico, mas que não foi acompanhada por reformas políticas.

Fundado por uma dezena de intelectuais há 90 anos, o Partido Comunista Chinês é responsável por governar a segunda maior economia mundial.

O aniversário do partido, celebrado em 1º de julho, apesar da reunião de fundação ter acontecido no fim de julho de 1921 em Xangai, motivou uma grande campanha de propaganda do governo, incluindo um filme, "O início do grande renascimento", que já registrou 218 milhões de espectadores em todo o país em duas semanas.

Considerado por muitos um meio de subir socialmente, o partido acaba de anunciar que superou a marca simbólica de 80 milhões de afiliados. Mais de 25% dos integrantes têm mais de 60 anos.