G8 elabora comunicado em defesa da renúncia imediata de Kadafi

Brasília – O G8 (grupo que reúne os Estados Unidos, Japão, a Alemanha, o Reino Unido, a França, Itália, o Canadá e a Rússia) deve divulgar hoje (27) comunicado oficial sobre o presidente da Líbia, Muamar Kadafi. Na nota, os líderes mundiais devem afirmar que Khadafi  “perdeu toda a legitimidade” e deverá deixar o poder.

No esboço do comunicado, o G8 se refere ainda à crise na Síria, onde manifestantes protestam há mais de um mês contra o governo do presidente Bashar Al Assad. Porém, Assad é acusado de usar violência para conter os protestos. Os líderes defendem  “uma ação do Conselho de Segurança das Nações Unidas” se as repressões na Síria forem mantidas.

Os representantes da Tunísia e do Egito foram convidados de honra das reuniões do G8, na França. Nos dois países começaram as primeiras manifestações populares que levaram às renúncias dos então presidentes Ben Ali, da Tunísia, e Hosni Mubarak, do Egito. Ambos são acusados de corrupção e violação de direitos humanos.