Padre é preso na Itália acusado de pedofilia

Um sacerdote acusado de pedofilia foi preso no bairro Sestri Ponente, em Gênova, por policiais da cidade portuária e de Milão, informou neste sábado a imprensa italiana.

Dom Ricardo Seppia, 51 anos, sacerdote da Igreja do Espírito Santo, é acusado de abusar sexualmente de um menor, de acordo com o noticiário local. O crime teria sido cometido em Gênova, mas não há informações sobre quando ocorreu.

O cardeal Angelo Bagnasco, presidente da Conferência Episcopal Italiana e arcebispo de Gênova, expressou "preocupação e tristeza" com a notícia e afirmou ter "total confiança na justiça italiana", acrescentando que irá orar pela vítima e toda sua família. Numa mensagem destinada aos fiéis da igreja do padre detido, Dom Bagnasco disse que o religioso é acusado de "um comportamento imoral com um menor de idade e de fornecimento de drogas".

A Cúria de Gênova decidiu pela suspensão imediata do sacerdote. Há pouco mais de dois meses, um outro padre italiano foi condenado a 15 anos e quatro meses de prisão pelo Tribunal Penal de Roma por abusar sexualmente de sete meninos entre 1998 e 2008.

Desde a publicação em 2009, na Irlanda, de um relatório que revelava centenas de abusos sexuais contra menores cometidos por padres durante décadas, o aparecimento de novos casos de pedofilia multiplicaram-se nos Estados Unidos e na Europa, em especial na Alemanha, país natal do Papa Bento XVI.

O Vaticano adotou em julho do ano passado regras mais rigorosas para combater crimes deste tipo e se prepara para publicar na segunda-feira um documento que fornece informações mais precisas para as conferências episcopais de todo o mundo sobre a luta contra a violência sexual praticada por alguns religiosos.