Tribunal belga ordena libertação de ex-mulher de assassino

A justiça belga ordenou nesta segunda-feira a libertação antecipada da ex-mulher do assassino Marc Dutroux, que foi condenada a 30 anos de prisão por envolvimento em um dos escândalos criminosos mais macabros dos últimos tempos na Europa, segundo a imprensa local.

Um tribunal aceitou o pedido de liberdade apresentado por Michelle Martin, de 51 anos, detida desde 1996, informou a rede de televisão RTL-TVI. Se a promotoria não se opuser à decisão judicial, a ex-esposa de Dutroux pode sair da prisão a partir de terça-feira.

Segundo a lei belga, um condenado pode solicitar sua libertação antecipada após ter cumprido um terço da pena.

Martin foi condenada em 2004 a 30 anos de prisão por ter sequestrado várias das vítimas de seu marido, e por sua responsabilidade na morte das duas mais jovens, Julie e Melissa, de oito anos de idade, a quem deixou morrer de fome no porão da casa do casal em Charleroi.

"Ela é a assassina de minha filha. Quinze anos de prisão me parece pouco. Vão conceder a liberdade a um monstro", protestou o pai de Julie.

Dutroux foi condenado à prisão perpétua, sem possibilidade de liberdade, por sequestro e estupro de seis crianças e adolescentes, além do assassinato de duas delas, Julie e Melissa, e de um de seus cúmplices.

Dutroux e Martin se divorciaram pouco antes de serem condenados, em 2004.