Mãe de Madeleine McCann conta em livro seu 'pesadelo sem fim'

LONDRES - Quatro anos após o desaparecimento de Madeleine McCann, sua mãe, Kate, publica um livro onde relata este "pesadelo sem fim" e "as visões horríveis" que teve sofre o paradeiro da filha, segundo trechos publicados pela imprensa britânica.

Madeleine desapareceu no dia 3 de maio de 2007, aos três anos de idade, quando dormia em um quarto do complexo turístico de Praia da Luz, pequeno balneário português onde seus pais passavam as férias.

Após 14 meses de uma investigação controversa, a justiça portuguesa decidiu arquivar o caso. O casal McCann sempre privilegiou a tese de um sequestro, mas a menina nunca foi encontrada.

Em seu livro, intitulado "Madeleine" e que escreveu seguindo as notas de seu diário pessoal, Kate McCann, de 43 anos, explica que temeu imediatamente que sua filha tivesse sido vítima de um pedófilo.

"A manifestação horrível do que sofri foi um desfile de visões macabras em minha cabeça que me torturavam sem parar", escreve. "As imagens que via de Madeleine nenhuma pessoa em sã consciência queria tê-las em sua cabeça", escreve.

A mãe conta também sobre "a onda de pânico" que a invadiu ao ver a cama de sua filha vazia: "quando vi que não estava em sua cama, me precipitei para o nosso quarto para ver se estava em nossa".

Neste livro, que será lançado no dia 12 de maio, aniversário da menina, Kate McCann renova suas críticas em relação ao modo como a polícia portuguesa conduziu a investigação.

As vendas deste livro estão destinadas a um fundo com o qual os McCann pagam os serviços de detetives particulares.

O ex-inspetor português responsável pela investigação também publicou um livro no qual afirmava que a menina estava morta e que seus pais poderiam ter escondido o seu cadáver. O livro foi retirado de venda após um processo aberto pelos McCann.