Referendo no Equador é concluído

O referendo convocado pelo presidente do Equador, Rafael Correa, sobre emendas constitucionais para reformar o sistema judiciário e regular a imprensa terminou às 17H00 local (19H00 de Brasília) deste sábado, anunciou o Conselho Nacional Eleitoral (CNE).

"Esperamos tranquilidade entre os cidadãos. Vão ser divulgados os resultados preliminares, mas sempre é preciso esperar pelos oficiais. Acreditamos que a vontade do cidadão terminará se impondo neste processo", afirmou à imprensa o presidente do CNE, Omar Simon.

Acrescentou que "prevemos que os resultados (oficiais) irão entrar (no sistema) após duas ou três horas do encerramento das votações".

Foram convocadas cerca de 11,2 milhões de pessoas ao referendo para decidir sobre mudanças do sistema judiciário visando combater a insegurança, e proibir que bancos e meios de comunicação tenham investimentos em outros setores econômicos.

A consulta também incluiu propostas para a abolição dos jogos de azar e das corridas de touro, e uma lei de comunicação que criaria uma entidade para regular os conteúdos da imprensa.

Além disso, o referendo propõe a criação de um conselho para regular a divulgação de conteúdos na imprensa que contenham mensagens de violência, explicitamente sexuais ou discriminatórias, e que estabeleça critérios de responsabilidade dos comunicadores ou dos meios.

No Equador, onde o voto é obrigatório, a abstenção foi de 24,7% na eleição presidencial antecipada de 2009, na qual Correa venceu em um histórico primeiro turno para estender seu mandato até 2013.

"Houve um fluxo normal de pessoas (às urnas). A organização do processo permitiu que a votação fosse rápida, mas ainda não podemos estabelecer se a abstenção aumentou ou diminuiu", indicou Simon.