Novas mortes e prisões nas manifestações contra o governo na Síria

DAMASCO - Cinco manifestantes morreram e vários ficaram gravemente feridos nesta sexta-feira por disparos das forças de segurança síria para dispersar os protestos em Homs, 160 km ao norte de Damasco, segundo fontes dos direitos humanos.

Além disso, um dos principais opositores do governo, Riad Seif, foi preso em Damasco, informou à AFP o presidente do Observatório sirio de Direitos Humanos, Rami Abdel Rahman. "Ele foi preso depois da oração de sexta-feira, perto da mesquita de Al Hassan", indicou o presidente desta organização não-governamental (ONG).

Vários tanques entraram nesta sexta-feira em Homs, a terceira cidade da Síria, ao mesmo tempo em que vários opositores ao regime de Bashar Al Assad se manifestavam em vários lugares do país, desafiando a proibição do ministério do Interior. A oposição ao regime sírio manteve sua convocação para novas manifestações nesta sexta-feira, apesar da proibição anunciada na véspera.

"Hoje é a sexta-feira do desafio. É uma mensagem a todos os que têm consciência da situação. Não nos mexeremos. Nos sacrificaremos pela liberdade, a dignidade e o orgulho", afirma o texto publicado no site "The Syrian Revolution 2011", criado por jovens militantes.

O ministério do Interior pediu em um comunicado à população que não participasse de manifestações ou vigílias, para que a "estabilidade e a segurança" retornem e para "ajudar as autoridades a cumprirem com sua missão". O ministério também indicou ter "libertado 361 pessoas que se renderam à polícia".