Obama: morte de Bin Laden significa que 11/9 não será esquecido

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, referiu-se nesta quinta-feira à morte do líder da Al-Qaeda Osama bin Laden como uma mensagem aos terroristas de que os EUA nunca se esquecerão dos ataques de 11 de setembro de 2001.

Falando durante uma parada não programada em um Corpo de Bombeiros de Manhattan logo após chegar em Nova York, Obama disse que a morte de Bin Laden enviou uma mensagem. "Quando dizemos que nunca vamos esquecer, falamos sério", disse Obama na frente de um caminhão dos bombeiros.

O presidente elogiou os bombeiros por seu trabalho no dia 11 de setembro de 2001, quando se dirigiram ao World Trade Center em uma operação difícil e perigosa para resgatar pessoas presas nas torres gêmeas, alvos de militantes da Al-Qaeda.

"Este é um local simbólico do sacrifício extraordinário que foi feito naquele dia terrível, há quase 10 anos atrás", afirmou Obama aos bombeiros. A rede de televisão CNN afirmou que os pais de 28 crianças foram mortos quando a equipe de bombeiros atendeu ao desastre em curso.

E Obama afirmou ao grupo que o ouvia: "Vocês sempre terão um presidente e um governo que os apoiarão da mesma forma que vocês apoiaram o povo de Nova York ao longo destes últimos anos". Após o discurso, um dos chefes de bombeiros mostrou ao presidente uma placa homenageando todos os bombeiros daquele local mortos nos ataques.

Visita ao Marco Zero

O presidente americano, Barack Obama, chegou a Nova York na manhã desta quinta para participar de cerimônias no Marco Zero, local dos ataques de 11 de setembro de 2001 às Torres Gêmeas pela Al-Qaeda que vitimou 3 mil pessoas no pior atentado sofrido pelos Estados Unidos.

A visita de Obama a Manhattan foi organizada nos últimos dias como parte do ritual de repercussão da morte de Osama bin Laden, morto durante um ataque de soldados americanos à sua mansão em Abbottabad, no Paquistão, no último domingo.

A programação de Obama envolve a passagem pelo Marco, onde deve depositar flores em homenagem aos falecidos, e reunião com os familiares das vítimas. O presidente americano não deve conceder entrevistas nem realizar discursos públicos.

O evento em Nova York não contará com a presença do ex-presidente Goerge W. Bush, líder do país na época do atentado ao World Trade Center. Obama convidou pessoalmene Bush, que declinou, argumentando que não poderia comparecer ao local.

Osama bin Laden é morto no Paquistão

No final da noite de 1º de maio (madrugada do dia 2 no Brasil), o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou a morte do terrorista Osama bin Laden. "A justiça foi feita", afirmou Obama num discurso histórico representando o ápice da chamada "guerra ao terror", iniciada em 2001 pelo seu predecessor, George W. Bush. Osama foi encontrado e morto em uma mansão na cidade paquistanesa de Abbottabad, próxima à capital Islamabad, após meses de investigação secreta dos Estados Unidos .

A morte de Bin Laden - o filho de uma milionária família que acabou por se tornar o principal ícone do terrorismo contemporâneo -, foi recebida com enorme entusiasmo nos Estados Unidos e massivamente saudada pela comunidade internacional. Três dias depois e ainda em meio resquícios de dúvidas sobre o fim de Bin Laden, a Casa Branca decidiu não divulgar as fotos do terrorista morto. Enquanto isso, Estados Unidos e Paquistão debatem entre si as responsabilidades e falhas na localização do líder da Al-Qaeda.