Grevistas paraguaios da hidrelétrica de Itaipu exigem reunião com Lugo

ASSUNÇÃO - Sindicalistas paraguaios da hidrelétrica de Itaipu que iniciaram uma greve de 30 dias na terça-feira exigiram nesta quinta uma reunião com o presidente Fernando Lugo para pôr fim à greve.

"Queremos conversar com Lugo e com o ministro do Trabalho (Humberto) Blasco, porque o diretor administrativo de Itaipu (Constancio Mendoza) é um incapaz. Não vamos negociar com ele", advertiu hoje em declarações a jornalistas o porta-voz dos trabalhadores, Luis Riveros.

"Queremos nos sentar para negociar com pessoas capacitadas", acrescentou.

Os sindicalistas bloquearam a entrada principal da hidrelétrica binacional no lado paraguaio e só permitem a entrada de funcionários encarregados dos serviços básicos.

No lado brasileiro, os trabalhadores ameaçaram se juntar aos paraguaios se as exigências de seus colegas não forem atendidas.

Porta-vozes de Itaipu asseguraram que a greve não afeta nem afetará a geração de energia.

Itaipu, considerada a hidrelétrica mais potente do mundo, gera 14.000 megawatts/hora. O Brasil utiliza 90% da energia gerada.