Rebeldes líbios recuam no leste do país, mas resistem em Misrata

TRÍPOLI - Os rebeldes líbios retrocederam novamente neste domingo para o leste de Ajdabiya, diante dos disparos de artilharia pesada das forças de Muamar Kadafi, mas continuavam resistindo aos intensos bombardeios iniciados há semanas em Misrata. No total, os combates nas duas frentes causaram a morte de pelo menos 14 pessoas e ferimentos em 50.

As forças governamentais dispararam neste domingo com artilharia pesada contra a entrada oeste de Ajdabiya (leste), depois que os rebeldes as fizeram retroceder na véspera uns 40 km, constatou a AFP. Esses disparos de artilharia pareciam indicar que as forças de Kadafi haviam voltado pelo menos a uns 20 km da cidade, o que levou centenas de rebeldes e habitantes que haviam permanecido na cidade a fugir dela.

Bloqueadas durante longo tempo em torno de Ajdabiya, as tropas insurgentes haviam progredido no sábado até o porto petroleiro de Brega, situado 80 km a oeste, graças aos bombardeios aéreos da Otan. "As tropas de Kadafi estão bombardeando a entrada oeste. Podemos ouvir disparos dos canhões. Elas estão se aproximando. Por isso, as pessoas estão fugindo", declarou à AFP Omar Salim Mufta, um habitante da cidade.

No entanto, a localização exata das tropas de Kadafi era difícil de determinar. Para um rebelde de 24 anos, Kemal Abdel Mohamed Abdel, elas estão a uns 20 km de Ajdabiya, mas para Milud Ghait, de 48 anos, as forças governamentais estão na saída oeste da cidade. Ghait lamentou ainda que a Otan não tenha intercedido contra elas.

No sábado, os disparos de foguetes das forças governamentais a meio caminho entre Ajdabiya e Brega causaram oito mortos e 27 feridos, segundo o último balanço fornecido no domingo à AFP por fontes do hospital de Ajdabiya.

Em compensação, mais a oeste, em Misrata, 200 km a leste de Trípoli, os bombardeios das forças de Kadafi não foram tão intensos como nas noites anteriores.

Os rebeldes afirmaram ter atacado com êxito posições inimigas e ter obrigado os franco-atiradores a retroceder na principal rua da cidade.

Os rebeldes de Misrata, mais bem organizados que em outras partes do país, destruíram no sábado quatro tanques escondidos em casas para evitar os bombardeios da Otan, depois de tomar posse de um campo do exército governista. Em vários bairros da cidade, eram vistos restos de bombas de fragmentação, constatou a AFP.

O regime de Kadafi negou o uso destas bombas, denunciado na sexta-feira pela organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW). "De nenhuma maneira. Nem moralmente, nem legalmente podemos fazer isso contra nossa população civil. Quando estas bombas são utilizadas, as provas são mantidas durante dias e semanas", disse Mussa Ibrahim, porta-voz do governo, aos repórteres.

Para Ibrahim, as alegações da HRW são "surrealistas". "Baseiam-se nos testemunhos dos rebeldes ou em ligações telefônicas para os seus escritórios nas capitais europeias", afirmou.

As bombas de fragmentação, proibidas internacionalmente desde 2010, podem matar ou mutilar a dezenas de metros imediatamente, ou posteriormente, se alguma das bombas não explodir logo.