Pelo nono dia consecutivo, Morales enfrenta onda de protestos violentos em La Paz

LA PAZ - Pelo nono dia consecutivo, o governo da Bolívia enfrenta uma onda de protestos liderados por profissionais de várias categorias que reivindicam reajuste médio de salário de 15%. As manifestações tomaram conta das principais ruas de La Paz e em algumas delas objetos foram queimados em meio a gritos de guerra, bandeiras da Bolívia e cartazes com críticas ao presidente Evo Morales.

Ao longo dos últimos dias, os protestos geraram embates entre manifestantes e policiais. O ministro da Casa Civil da Presidência, Oscar Coca, lamentou o que chamou de “vandalismo” e “ameaças” à ordem. Coca condenou a coordenação das manifestações que é da Central Obrera Boliviana (COB). Segundo ele, ontem, na reunião com o governo, os sindicalistas não se dispuseram a buscar o fim do impasse.

Desde a semana passada, professores, aposentados da zona rural, motoristas de transportes públicos e caminhões, assim como funcionários do Conselho Nacional de Saúde protestam na Bolívia. Para o ministro, alguns setores são essenciais e não podem aderir à greve.

Os profissionais exigem reajuste médio de 15%, mas o governo Morales sinalizou com 10% para os salários das áreas de educação, saúde, das Forças Armadas e dos policiais. Na conversa com a central dos trabalhadores, Coca lembrou que um aumento mais elevado nos salários afetará o déficit fiscal deste ano, que deve ficar em 4,5%.