Chanceler francês considera inevitável a queda do presidente da Costa do Marfim

PARIS - O ministro das Relações Exteriores da França, Alain Juppé, disse nesta quinta-feira que a queda do presidente marfinense Laurent Gbagbo é inevitável, mas evitou afirmar se acontecerá em alguns dias ou semanas.

"Depois da queda de Gbagbo, que é inevitável, será necesssário apoiar a política do perdão, da reconciliação nacional, da abertura política que o presidente (Alassane) Ouattara deverá executar", afirmou Juppé à comissão de Defesa e das Relações Exteriores do Senado.

"Estamos em contato estreito com ele e está de acordo. Penso que em breve fará declarações neste sentido. Já estamos trabalhando sobre o esforço que terá que fazer para ajudá-lo neste processo de reconciliação política e de reconstrução econômica", completou.

"A queda de Gbagbo acontecerá inevitavelmente, só não vou dizer horas ou nos próximos dias. Sou prudente", concluiu.