Papa pede fim da violência na Líbia e Costa do Marfim

VATICANO - O papa Bento XVI fez um apelo nesta quarta-feira "a todas as partes envolvidas" na Líbia e na Costa do Marfim, pedindo que se comprometam com "a pacificação e o diálogo" e com o fim da violência nesses países. O pedido do pontífice foi feito durante a audiência geral das quartas-feiras no Vaticano.

"Rezo pelas vítimas e por todos aqueles que sofrem", afirmou Bento XVI, diante de milhares de peregrinos. "Acompanho com preocupação os eventos dramáticos que assolam nestes dias as queridas populações da Costa do Marfim e da Líbia", disse.

"O ódio e a violência representam sempre um fracasso", estimou o papa. "Lanço de novo um apelo a todas as partes para que se comprometam a trabalhar em prol da pacificação e do diálogo, para que não se derrame mais sangue".

A situação na cidade líbia de Misrata, bombardeada há vários dias pelas forças de Muamar Kadafi, foi denunciada pelo chefe militar dos rebeldes líbios, que acusou a Otan de "deixar morrer os habitantes" sob os disparos.

Na Costa do Marfim, as forças do presidente eleito e reconhecido pela comunidade internacional, Alassane Ouattara, lançaram na manhã desta quarta-feira um assalto final contra o bunker onde está entrincheirado o chefe de Estado Laurent Gbagbo, que se recusa a deixar o poder, após o fracasso das negociações sobre sua rendição.