União Africana condena abusos cometidos na Costa do Marfim

O Conselho de Paz e Segurança da União Africana condenou nesta terça-feira os abusos cometidos na Costa do Marfim, onde as forças rivais do atual presidente e do presidente eleito enfrentam pelo poder depois das controvertidas eleições de novembro.

"O Conselho lamenta a perda de muitas vidas, condena a violação dos direitos humanos e outros abusos no contexto do conflito militar, e reitera o imperativo da proteção da população civil", afirma o comunicado.

Mais cedo, o presidente de turno da União Africana (UA), o chefe de Estado da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema, condenou nesta terça-feira as intervenções estrangeiras na Costa do Marfim e na Líbia.

"Nesse momento estão sendo registradas grandes perdas humanas na Costa do Marfim", declarou, explicando que a UA está exercendo pressões para que Alassane Ouattara, que tem o apoio da comunidade internacional, seja reconhecido como presidente da Costa de Marfim.

"Mas isso não implica uma guerra, não implica uma intervenção de uma força estrangeira".

Teodoro Obiang Nguema também rejeitou a intervenção militar estrangeira na Líbia.

"A África não precisa de uma influência estrangeira. A África deve cuidar de seus próprios assuntos. Os problemas africanos não podem ser resolvidos do ponto de vista europeu, americano ou asiático", concluiu.