Dior inicia ação para licenciar o estilista John Galliano

PARIS - A sociedade Christian Dior Couture anunciou nesta terça-feira ter iniciado um procedimento para licenciar o estilista John Galliano devido ao caráter "particularmente odioso" de seu comportamento e a declarações racistas contidas em um vídeo.

Na véspera, foi divulgada a existência desse vídeo em que o estilista britânico - já suspenso na semana passada pela Casa Dior por supostos insultos antissemitas - aparecia declarando "eu amo Hitler".

"Amo a Hitler", afirma o estilista de 50 anos com voz titubeante, visivelmente alcoolizado, a um grupo de pessoas sentadas junto a ele em um café, segundo o vídeo de 40 segundos divulgado no site do jornal sensacionalista The Sun.

"Gente como vocês estaria morta hoje. Suas mães, seus antepassados teriam sido fodidos pelo gás", afirma ainda no vídeo, feito por uma das pessoas do grupo no mesmo café o bairro de Marais, no centro de Paris, onde ocorreu um incidente similar na semana passada, segundo o Sun.

Galliano foi detido na noite de quinta-feira passado, em Paris, por agressão e por ter proferido "insultos de caráter antissemita".

O estilista, que negou as acusações, teve suas funções como diretor artístico da Christian Dior suspensas pela maison até a conclusão das investigações.