Conferência Islâmica é contra intervenção militar na Líbia

A Organização da Conferência Islâmica (OCI) se declarou contrária, esta terça-feira, a qualquer intervenção militar na Líbia, enquanto a comunidade internacional reflete sobre a criação de uma zona de exclusão aérea em território líbio.

"Deixem-me destacar nossa posição desfavorável a qualquer intervenção militar na situação líbia", disse o secretário-geral da OCI, Ekmeleddin Ihsanoglu, ante o Conselho de Direitos Humanos da ONU, reunido em Genebra.

"Levando em conta este objetivo, todas as opções devem ser utilizadas para solucionar conflitos por meios pacíficos e sem ter que recorrer à força" acrescentou.

Ihsanoglu disse que a OIC continua "inteirada da situação da Líbia" e enviou duas missões de coordenação ao local para avaliar as necessidades humanitárias nas fronteiras entre a Líbia com Tunísia e Egito.

O chefe da OIC destacou que a situação no mundo árabe mostra que os povos da região "aspiram à democracia, ao bom governo e aos direitos humanos".