UE adota sanções contra Kadafi e quase 25 colaboradores

BRUXELAS - A União Europeia adotou nesta segunda-feira um embargo de armas contra a Líbia, determinando também o congelamento de seus bens e a proibição de vistos para o ditador Muamar Kadafi e 25 de seus colaboradores mais próximos, indo além das sanções decididas no sábado pela ONU, segundo diplomatas europeus.

Mais cedo, a Alemanha tinha proposto à comunidade internacional congelar todos os pagamentos à Líbia durante 60 dias para impedir que o regime de Kadafi disponnha de meios para oprimir seu povo, declarou nesta segunda-feira, em Genebra, o ministro alemão das Relações Exteriores, Guido Westerwelle.

"Devemos fazer tudo que estiver ao nosso alcance para pôr fim a esta matança e não deixar que o ditador tenha dinheiro fresco para empregados soldados estrangeiros", declarou Westerwelle aos jornalistas à margem do Conselho de Direitos Humanos da ONU.

Westerwelle, que destacou estar se expressando apenas em nome de seu país, insistiu na necessidade de impedir rapidamente que o líder líbio "continue recrutando soldados estrangeiros para oprimir seu povo".