Filho de Kadafi diz que violência na Líbia deixou 242 mortos

Saif al Islam garantiu que a família Kadafi vai ficar no país

TRÍPOLI - O filho do líder libio, Muamar Kadafi, Saif al Islam, indicou nesta sexta-feira a um canal turco que a violência em seu país deixou 242 mortos. Já a Alta Comissária de Direitos Humanos, Navi Pillay, denunciou nesta sexta-feira um aumento alarmante da repressão contra os manifestantes e falou de milhares de mortos e feridos.

Na entrevista , Saif al Islam garantiu que sua família está decidida a viver e morrer na Líbia, independentemente do que acontecer, e impedir que os terroristas controlem uma parte do país.

Indagado por um jornalista do canal CNN-Türk sobre uma possível fuga de sua família se os rebeldes vencerem, Saif al Islam respondeu: "Nosso primeiro plano é viver e morrer na Líbia. Nosso plano alternativo é viver e morrer na Líbia", declarou, segundo a tradução turca de suas afirmações.

O filho de Muamar Kadafi reconheceu que os partidários do líder já não controlam a parte oriental da Líbia, mas assegurou que recuperariam o controle dessa zona.

"Há mais de dois milhões de habitantes nessa zona e os terroristas são 200 ou 300, no máximo. Não podemos permitir que um punhado de terroristas controle uma parte da Líbia e sua população", concluiu.