Reino Unido defende investigação de 'atrocidades' na Líbia

LONDRES - O ministro britânico das Relações Exteriores, William Hague, declarou-se nesta quinta-feira favorável a uma "investigação internacional sobre as atrocidades" cometidas na Líbia durante a sangrenta repressão aos protestos contra o regime de Muamar Kadafi.

"Temos os restos de um governo que está disposto a utilizar a força e a violência contra seu próprio povo", declarou Hague, em entrevista à rede BBC. "Queremos desde já algum tipo de investigação internacional" sobre "as atrocidades" cometidas nesse país, acrescentou. "Para isso, temos que persuadir outros países".

Hague considerou "importante aumentar a pressão sobre um regime que, sem dúvida, está cometendo graves infrações".

"Queremos que entendam que vamos buscar maneiras para que as pessoas responsáveis por estas coisas prestem contas, e devem ter isto em mente antes de ordenar mais atrocidades", disse.

Há mais de uma semana, a Líbia é palco de uma massiva revolta popular contra o regime do ditador Muamar Kadafi, dirigente mais longevo do mundo árabe. As manifestações, reprimidas brutalmente, já deixaram pelo menos 640 mortos, segundo a Federação Internacional de Direitos Humanos.