Wikileaks: para EUA, Brasil não é 'maduro' para cadeira na ONU

 

Telegramas enviados a Washington entre 2004 e fevereiro de 2010, vazados pelo Wikileaks, mostram que a diplomacia americana considera que o Brasil não é "maduro" para ser um ator global e precisa ser "encorajado" pelos EUA a assumir responsabilidades e "confrontar" outros países, se necessário. As avaliações foram feitas em reação à campanha brasileira por uma cadeira permanente no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Para o ex-embaixador Clifford Sobel, a escolha de caças americanos na concorrência para a nova frota da Força Aérea Brasileira poderia ajudar o Brasil na busca pela cadeira no Conselho. "Uma oferta bem-sucedida da Boeing para vender os F-18 ao Brasil tem o potencial de fortalecer essa parceria (com os EUA) de modo inédito", escreve. A ampliação do Conselho voltou à tona há dois meses, quando o presidente americano Barack Obama, apoiou a candidatura da Índia. O tema marcou a relação entre os governos de Lula e de George W. Bush, entre 2003 e 2010, quando o assunto era sempre abordado pelos brasileiros nos telegramas.