Libertado ex-prisioneiro tunisiano de Guantánamo

Um ex-detido tunesiano da prisão americana de Guantánamo foi libertado nesta terça-feira depois de quatro anos de reclusão em Túnis, informou à AFP seu advogado Samir Ben Amor.

A libertação de Abdullah Haji, 55 anos, faz parte de uma anistia geral decidida pelo governo de transição formado depois da queda do regime do presidente Ben Ali.

Enviado a Túnis em junho de 2007, Abdullah Haji foi condenado no mesmo ano por um tribunal militar a sete anos de prisão por pertencer a uma organização terrorista relacionada com o chefe da rede Al-Qaeda, Osama Bin Laden.

O tribunal havia acusado o homem de ser membro da Frente Islâmica Tunesiana (FIT), uma organização relacionada, segundo ele, com o movimento islâmico tunesiano ilegal Ennahda.

O homem era acusado de ter passado uma temporada no Afeganistão, onde teria sido treinado para lidar com armas e derrubar o regime tunesiano.

Segundo o documento lido na audiência, Abdullah reuniu-se "ao menos duas vezes" com Bin Laden no Sudão, onde teria estabelecido relações com líderes islâmicos egípcios e sudaneses.

Foi condenado a 10 anos de prisão em 1995, quando estava no Paquistão com sua família, depois de uma estadia na Arábia Saudita.

Detido em 4 de abril de 2002 em Lahore e entregue aos americanos, passou cinco anos em Guantánamo, antes de ser enviado a Túnis em junho de 2007.