China censura informações sobre Egito mas diz que internet está "aberta"

PEQUIM - As autoridades chinesas afirmaram nesta terça-feira que a internet está "aberta" na China, apesar da censura às notícias sobre os protestos contra o regime de Hosni Mubarak no Egito. "A internet na China está aberta", afirmou em entrevista coletiva o porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Hong Lei, ao ser questionado se Pequim censurava as informações sobre a situação no Egito.

Nesta terça-feira, as pesquisas da palavra "Egito" nos equivalentes chineses do Twitter obtinham como resposta: "Segundo as leis vigentes, o resultado de sua busca não pode ser informado".

Nos últimos dias, a imprensa oficial chinesa se limitou a informar brevemente sobre o movimento de protesto e as manifestações antigovernamentais no Egito.

A cobertura destacava fundamentalmente a necessidade de restaurar a ordem pública ante as cenas de caos, ocultando os fatores políticos e os pedidos de democracia.