Exército egípcio 'não usará força contra manifestantes', cujas demandas são legítimas

O exército egípcio anunciou esta segunda-feira que não usará a força contra as dezenas de milhares de pessoas que se mobilizam no país para pedir a saída do presidente Hosni Mubarak e declarou no mesmo documento que considera as demandas do povo "legítimas", noticiou a mídia estatal.

"As forças armadas não recorreram e não recorrerão ao uso da força contra o povo egípcio", destacou o exército no comunicado, citado pela agência oficial Mena e pela TV estatal.

O Exército declarou no documento que considera as demandas do "grande povo do Egito" como "legítimas" no sétimo dia seguido de protestos maciços pelo fim do regime de Mubarak.

"A liberdade de expressão de forma pacífica está garantida para todos", afirmou o porta-voz do exército.

O comunicado foi divulgado em um momento em que os manifestantes organizam para a terça-feira a "marcha de um milhão" de pessoas no Cairo e em Alexandria (norte) e logo após de a odiada polícia, cujos confrontos com manifestantes deixaram mais de 125 mortos, voltar às ruas depois de dois dias de ausência.