Centro-africanos votam à luz de velas para recuperar atrasos

A Comissão Eleitoral Independente (CEI) da República Centro-africana decidiu dar mais tempo aos eleitores para que possam votar e, assim, compensar o atraso na abertura das eleições presidenciais e legislativas deste domingo.

"Esta manhã (de domingo), as operações eleitorais começaram com algumas horas de atraso", disse à AFP o porta-voz da CEI, Rigobert Vondo, por telefone.

"Há filas grandes de eleitores esperando para votar. A CEI pediu que fosse dado um tempo suplementar em todo o país (...) para que todos possam cumprir seu dever cívico", disse Vondo.

Em Bangui, por exemplo, em várias seções eleitorais, a votação continuava à luz de velas por causa de cortes de eletricidade em alguns setores da capital.

Os centro-africanos elegem, além de parlamentares, seu próprio chefe de Estado entre cinco candidatos, entre eles o presidente em fim de mandato François Bozizé, o favorito à reeleição, que chegou ao poder em 2003 mediante golpe de Estado, mas foi eleito em 2005.

Seus principais adversários são o ex-presidente (1993-2003) a quem depôs, Ange-Félix Patassé, o ex-premier Martin Ziguélé (2001-2003), bem como Jean-Jacques Demafouth, ex-ministro da Defesa.

A República Centro-africana, situada no coração do centro da África, com 4,4 milhões de habitantes, está mergulhada desde 2008 em um processo de paz após vários anos de instabilidade, marcados por revoltas e golpes de Estado, que afetaram seriamente o tecido econômico e social do país, um dos mais pobres do mundo.