Governador pró-Gbagbo do Banco Central da África Ocidental renuncia

O governador do Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO), o marfinense Philippe-Henry Dacoury-Tabley, próximo do presidente Laurent Gbagbo, renunciou ao cargo, anunciou em comunicado divulgado este sábado em Bamako.

Dacoury-Tabley apresentou sua demissão por iniciativa própria, segundo comunicado publicado ao fim da cúpula dos dirigentes dos oito países-membros da União Econômica e Monetária do Oeste da África (UEMOA), da qual o BCEAO é o banco emissor.

Sua posição como governador do BCEAO, posto que ocupava há dois anos, se tornou insistentável após as sanções impostas na sexta-feira pela União Europeia (UE): congelamento de bens e proibição de viajar ao exterior.

Ele era criticado por ter descartado uma decisão dos ministros de Finanças da UEMOA, adotada em 23 de dezembro, de conceder a Alassane Ouattara, o presidente marfinense reconhecido pela comunidade internacional, todos os poderes para gerir os assuntos relacionados com esta instituição e o BCEAO.

Apesar da decisão dos ministros, o BCEAO destinou entre 91,5 e 152,4 milhões de euros (123 e 206 milhões de dólares) para o regime de Gbagbo desde esta data.