Manifestações contra o desemprego deixam mais de 50 mortos na Tunísia

TÚNIS - Mais de 50 pessoas morreram nos últimos três dias nas manifestações contra o desemprego em Kaserin, no centro da Tunísia, onde o caos continua desde o fim de semana, indicou à AFP um dirigente sindical. "O caos impera em Kaserin depois de uma noite de violência, tiros, saques e roubos a lojas e casas por agentes da polícia civil, que depois se retiraram", declarou Sako Mahmudi, membro da seção regional da União Geral de Trabalhadores Tunisianos (UGTT).

"A quantidade de mortos supera os 50", disse Mahmudi, citando um balanço médico do hospital de Kaserin. Um funcionário local, que pediu o anonimato, descreveu também "uma situação de caos" em Kaserin, situada a 290 km a sul de Túnis, e denunciou disparos da polícia contra cortejos fúnebres.

Os funcionários do hospital da cidade fizeram greve por uma hora para protestar contra o número elevado de vítimas e a gravidade dos ferimentos.

Um homem de 75 anos e sua mulher morreram baleados quando se preparavam para enterrar um dos filhos, indicou a mesma fonte.