Londres mostra à população que Jogos Olímpicos já dão frutos

Um gigantesco canteiro de obras. São 10.333 operários trabalhando a todo o vapor para deixar tudo pronto a tempo. Assim está o Parque Olímpico de Londres, complexo de 2,5 km² que deve receber 500 mil visitantes para os Jogos de 2012. O Terra passou por lá para saber como as obras estão transformando a localidade de Stratford City, região leste da capital britânica. Os turistas estrangeiros ainda são poucos - e a estrutura para recebê-los deixa a desejar - mas o desenvolvimento geográfico e social da área já desperta o interesse local.

O principal esforço do Comitê Organizador - Olympic Delivery Authority (ODA), em inglês - é chamar a atenção das crianças e jovens. Todos os dias, centenas de alunos da rede escolar britânica participam de atividades educacionais oferecidas pela ODA e por organizações sociais. Além de um site onde há informações sobre como levar o esforço pelos Jogos à sala de aula, há um espaço público praticamente dentro do Parque Olímpico. É o The View Tube, uma estrutura montada com antigos contêineres de navio bem em frente ao Estádio Olímpico.

Do View Tube, além de enxergar o estádio, é possível ter um bom panorama de todas as principais obras do complexo, já que ele está situado a poucos metros de uma estação de trem, em uma parte elevada de terreno. Para chegar é preciso passar pelo meio das obras. Mas o acesso é facilitado por uma espécie de corredor para pedestres que separa os visitantes dos operários e máquinas. Lá é possível alugar bicicletas para dar uma volta, reservar salas para projetos ou eventos educacionais ou apenas tomar um café no bar do local.

"O objetivo do The View Tube é reunir os londrinos para que eles aprendam o que está acontecendo. As empresas envolvidas investiram para que as pessoas se reunissem aqui, para que elas soubessem que este lugar é uma oportunidade", disse Helen Robertson, gerente educacional da Field Studies Council (FSC), uma organização voltada para a educação ambiental e parceira do projeto. Segundo ela, a ideia é mostrar como os Jogos Olímpicos estão transformando a região. Para isso, nada melhor do que colocar a população no meio das obras.

"Os índices de criminalidade, educação, habitação e saúde desta parte de Londres estão entre os piores do país. Não é uma região ruim, é apenas uma área cujas possibilidades são limitadas", explicou Helen. Ao levar os Jogos até Stratford City, os organizadores quiseram transformar essa realidade, deixando um legado para os moradores. De fato, a população que mora lá ganhará belos presentes após 2012. Serão novos parques, casas, estradas e sistemas de transporte. Mas o maior investimento futuro está em um shopping center.

"O grande desenvolvimento que está acontecendo aqui não está dentro do Parque Olímpico, mas perto dele. Está sendo construído o maior shopping da Europa", disse a educadora, fazendo referência ao investimento de 1,5 bilhões de libras (R$ 4 bilhões) da empresa australiana Westfield Group, que possui centros comerciais no Reino Unido, Estados Unidos e Nova Zelândia, além do seu país de origem. Helen explica que esse complexo de compras deve fazer com que as pessoas de toda a cidade sigam visitando Stratford City após os Jogos.