Governador da Califórnia economiza cortando até celulares

LOS ANGELES - O novo governador democrata da Califórnia assumiu anunciando um drástico plano de austeridade do estado que tem um déficit de mais de 25 bilhões de dólares, razão pela qual decidiu cortar nas universidades e até tirando os telefones celulares de 48 mil funcionários.

O substituto de Arnold Schwarzenegger, Jerry Brown, havia apresentado na segunda-feira um novo orçamento para o Estado com cortes que passam dos 12,5 bilhões de dólares, que inclui uma diminuição dos salários de funcionários públicos de 8 a 10%.

Mas nesta terça-feira acrescentou que 48 mil funcionários ficarão sem telefones celulares até 1 de junho de 2011.

"Estes cortes serão dolorosos, requerirão sacrifícios de todas as partes, mas não temos opção", disse o democrata, que desde a semana passada é o governador do estado mais rico e povoado dos Estados Unidos.

As únicas áreas que Brown disse que não tocará são o ensino fundamental e médio e a segurança pública.

Mas a educação superior não se salvou, já que o plano do governador estabelece um corte de 500 milhões de dólares para a Universidade da Califórnia e para a Universidade Estatal da Califórnia. Os cortes levarão o orçamento do sistema universitário aos níveis de 10 anos atrás.

Quanto ao corte dos telefones, Brown informou em um comunicado que a Califórnia pagava um telefone celular a 40% de seus funcionários, ou seja, 96 mil. Ao reduzir este número à metade, 20 milhões de dólares serão economizados por ano.

"Custo a acreditar que 40% dos funcionários precisam de um telefone pago pelos contribuintes", declarou Brown em um comunicado.

"Alguns funcionários (...) que precisem ser localizados as 24 horas e os 365 dias do ano, podem necessitá-lo, mas o número de telefones em circulação é impressionante", estimou.

"Inclusive com uma redução de 50%, um quinto dos funcionários do estado teriam um celular. Isso me parece muito e peço a todos os serviços e departamentos administrativos que estudem e justifiquem o uso dos telefones celulares", disse o governador.