Zapatero: ETA deve dar passos 'muito mais contundentes'

MADRI - O ETA, que nesta segunda-feira anunciou uma trégua "permanente", deve "dar passos muito mais contundentes e definitivos" para seu desaparecimento, afirmou o chefe do governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, advertindo que não permitirá ser "enganado" pela organização armada.

"O comunicado do ETA não serve: tem que dar passos muito mais contundentes e definitivos: não vamos permitir que nos enganem", advertiu Zapatero em uma entrevista à rede de televisão Antena 3.

A organização armada separatista basca anunciou nesta segunda-feira "um cessar-fogo permanente e de caráter geral, que pode ser verificado pela comunidade internacional". O governo espanhol e diversas forças políticas o consideraram insuficiente porque não declara o fim definitivo da violência.

O anúncio é "insuficiente" e "só vale o fim definitivo do grupo terrotista", o que "será um processo duro, caro, difícil", continuou Zapatero.

Por isso, "a política antiterrorista" do governo espanhol "será mantida", ou seja, "as detenções continuarão e seguiremos com a perseguição daqueles que não respeitam as leis", garantiu, referindo-se aos membros do ETA.

Zapatero deixou claro que "não haverá nenhum tipo de diálogo" entre o governo e a organização armada após o comunicado desta segunda-feira e que o governo espanhol não aceitará "nenhuma condição política que possa servir para os objetivos do grupo terrorista".

Além disso, lembrou ao movimento separatista radical basco, que atualmente pede ao ETA o fim da violência para formar um partido político, que "a lei é muito clara": "O ETA abandona as armas ou eles condenam, se separam e rejeitam o ETA para ter uma chance".