Morre diplomata americano Richard Holbrooke

WASHINGTON - O enviado especial dos Estados Unidos para o Afeganistão e Paquistão, Richard Holbrooke, morreu nesta segunda-feira, aos 69 anos, vítima de um problema cardíaco, informou a TV americana. Holbrooke se sentiu mal na sexta-feira passada, em Washington, onde foi internado e operado da aorta.

O presidente Barack Obama descreveu Holbrooke como um "verdadeiro gigante da política externa dos Estados Unidos". "Michelle e eu estamos profundamente tristes com o falecimento de Richard Holbrooke, um verdadeiro gigante da política externa dos Estados Unidos, que tornou nosso país mais forte, mais seguro e mais respeitado". "Será lembrado por sua incansável diplomacia, amor à pátria e busca pela paz. Durante quase 50 anos, Richard serviu ao país que amava com honra e distinção".

Em janeiro de 2009, foi nomeado emissário para o Afeganistão e Paquistão por Obama, que lhe confiou a difícil tarefa de representar a diplomacia americana em uma região onde os Estados Unidos enfrentam os radicais talibãs desde 2001.

Holbrooke visitou Cabul com a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, em 20 de julho, durante a conferência de apoio da comunidade internacional ao projeto do presidente afegão, Hamid Karzai, de assumir a segurança do país até 2014, estendendo a mão aos talibãs.

Nascido em 24 de abril de 1941, em Nova York, Holbrooke começou sua carreira diplomática aos 21 anos, no Vietnã, graças a seu conhecimento da lingua vietnamita.

Escalou rapidamente os degraus da administração federal e aos 35 anos foi nomeado subsecretário de Estado para Assuntos asiáticos, sob a presidência do democrata Jimmy Carter, quando contribuiu para normalizar as relações entre Estados Unidos e China.

Com a eleição do republicano Ronald Reagan, em 1981, Holbrooke foi para o banco Lehman Brothers, onde chegou a diretor geral.

Em 1993, foi convocado por Bill Clinton para a embaixada na Alemanha, e dois anos depois se tornou subsecretário de Estado para Assuntos Europeus, quando atuou nas negociações de paz para a ex-Iugoslávia.

Holbrooke foi o eixo das maratônicas negociações na base militar de Daytona, em Ohio, que levaram em 1995 ao acordo de paz para a Bósnia, ainda considerado um dos grandes sucessos da diplomacia americana.

Após o sucesso em Daytona, Holbrooke voltou a Wall Street e em 1996 assumiu a vice-presidência do banco Credit Suisse First Boston, mas Bill Clinton o designou como embaixador na ONU, cargo que ocupou até a chegada de George W. Bush ao poder, em 2001.

Holbrooke ocupou cargos em vários conselhos de administração de grandes empresas, entre elas a Coca Cola. Seu nome foi citado em 2004 como candidato a secretário de Estado na chapa do democrata John Kerry.

Pai de dois filhos, Holbrooke se casou pela terceira vez em 1994, com Kati Marton, ex-jornalista e ex-mulher do âncora Peter Jennings.