EUA e Coreia do Sul anunciam novos exercícios militares

SEUL - As Forças Armadas dos Estados Unidos e da Coreia do Sul anunciaram nesta quarta-feira em Seul novas manobras militares conjuntas, em um clima de forte tensão na região depois do bombardeio de uma ilha sul-coreana pela Coreia do Norte.

O bombardeio da ilha de Yeonpyeong, em 23 de novembro, foi um "ataque armado deliberado e ilegal", afirmaram os comandantes do Estados-Maiores americano e sul-coreano, almirante Mike Mullen e general Han Min-Koo respectivamente, após uma reunião em Seul.

O ataque violou a Carta das Nações Unidas e o acordo de armistício que acabou com a guerra da Coreia (1950-1953), destaca um comunicado conjunto.

O almirante Mike Mullen faz uma visita de dois dias a Seul para manifestar o apoio de Washington ao país após o bombardeio que matou dois militares e dois civis.

As novas manobras militares pretendem aperfeiçoar os planos para que as Forças Armadas sul-coreanas possam responder de maneira firme a novas agressões da Coreia do Norte, afirma o comunicado.

Estados Unidos e Coreia do Sul efetuaram uma primeira série de manobras de 28 de novembro a 1º de dezembro, consideradas uma demonstração de força para "reforçar a dissuasão contra a Coreia do Norte".

A Coreia do Norte criticou as manobras aeronavais no Mar Amarelo, que para o regime de Pyongyang representaram uma "provocação e um crime", que deixaram a região "à beira da guerra". Mais cedo, militares sul-coreanos afirmaram ter ouvido explosões no território norte-coreano, em um aparente exercício de artilharia.