Itália adota polêmica lei de orçamento para 2011

O Parlamento italiano aprovou, esta terça-feira, em caráter definitivo, a drástica e controversa lei de orçamento para 2011, poucos dias antes da decisiva votação de 14 de dezembro no Congresso sobre o destino do Executivo de Silvio Berlusconi e sua permanência no poder.

A lei foi aprovada no Senado e contou com o apoio do Partido da Liberdade, de Berlusconi, do aliado da Liga Norte e da nova formação fundada pelo presidente da Câmara de Deputados, Gianfranco Fini, Futuro e Liberdade (FLI).

Os partidos da oposição esquerdista, o Partido Democrático e a Itália dos Valores, votaram contra.

Após a adoção do orçamento se abre uma delicada fase de debates políticos que terminará em 14 de dezembro com o voto de censura ao governo, o qual deverá enfrentar duas votações, uma no Senado e outra na Câmara dos Deputados.

A lei de orçamentos, que suscitou duras polêmicas, prevê o corte de 25 bilhões de euros entre 2011 e 2012.

Com a medida, o governo espera reduzir o déficit público para 3,9% do PIB em 2011 e para 2,7% em 2012, contra 5,3% de 2009, e tranquilizar os mercados diante da dívida italiana, uma das mais altas da Europa, pois supera 118,5% do PIB.

Os simpatizantes do presidente da Câmara dos Deputados, Gianfranco Fini, ex-aliado de Berlusconi, se comprometeram a votar a favor da lei como gesto de "responsabilidade", apesar de terem retirado a confiança do governo, provocando a atual crise.