Pacote suspeito em voo Namíbia-Alemanha continha relógios e cabos

A polícia da Namíbia informou nesta quinta-feira que o pacote suspeito, encontrado nesta quinta-feira (18), no aeroporto de Windhoek continha um sistema de relojoaria e cabos elétricos. A embalagem foi encontrada pela polícia namíbia no momento em que era transportado para um avião de carga com destino a Alemanha.

O artefato também continha pilhas conectadas por fios a um detonador e a um relógio, informa a BKA, a polícia alemã, em um comunicado.

"Só vamos saber do que se trata com o resultado das análises em curso, se era um artefato explosivo que poderia ter sido detonado", afirma o texto.

Os passageiros do voo Windhoek-Munique, a tripulação e as malas chegaram ao destino na madrugada de quinta-feira, depois de um novo controle.

O fato aconteceu no mesmo dia em que o ministro do Interior alemão, Thomas de Maizière, alertou para um crescente risco de atentados na Alemanha e disse que um ataque poderia acontecer até o final de novembro.

"Segundo as informações de um interlocutor estrangeiro, um suposto atentado deve acontecer no final de novembro", declarou o ministro em uma coletiva de imprensa em Berlim.

"Desde meados de 2010, os serviços de segurança observaram um aumento dos indícios de que a organização terrorista Al-Qaeda prevê em longo prazo cometer atentados nos Estados Unidos, Europa e Alemanha", assinalou Thomas de Maizière.

"Há razões para se preocupar, mas não para ceder à histeria", acrescentou.

As medidas de segurança foram reforçadas nas estações de trens e aeroportos. Em Berlim, também foram instaladas barreiras de segurança ao redor do Reichstag.

O ministro do Interior da Renania-Palatinado, Karl Peter Bruch, afirmou que existem indícios concretos relativos a Berlim, Hamburgo e Munique, as três cidades de maior população do país, assim como sobre a região do Reno.

Segundo o jornal Der Tagespiegel, na semana passada a Alemanha recebeu informações dos Estados Unidos sobre a previsão de chegada em 22 de novembro de quatro supostos membros da Al-Qaeda, recrutados na fronteira Paquistão-Afeganistão, para cometer atentados na Alemanha e Grã-Bretanha.

As lojas podem ser alvos de ataques no período de Natal.

O Der Tagespiegel afirma que o paquistanês Mohammed Ilyas Kashmiri, considerado o organizador de um atentado em fevereiro em Pune (Índia) que deixou 17 mortos e 60 feridos, estaria por trás dos planos.

Nos últimos anos, vários planos de atentados fracassaram na Alemanha, país que participa na guerra contra os talibãs no Afeganistão.

Centenas de islamitas são vigiados pelos serviços secretos do país.