Austrália vai extraditar "assassino da lua de mel" para os EUA

 

As autoridades australianas aceitaram nesta quinta-feira o pedido de extradição para os Estados Unidos de um cidadão americano chamado pela imprensa de "assassino da lua de mel", depois de receber garantias que o réu não será executado em seu país.

David Gabe Watson, que está detido há 18 meses na Austrália por homicídio, é suspeito de ter matado a esposa durante a viagem de lua de mel à Austrália. A justiça o acusa de ter afogado a vítima durante um mergulho.

A extradição foi aceita depois que os Estados Unidos garantiram que ele não corre o risco de ser condenado à morte se for julgado no Alabama, sua terra natal.

A lei australiana proíbe a extradição de pessoas que podem ser executadas em seus países.

Christina Watson, 26 anos, morreu em 2003 no que foi considerado inicialmente um acidente de mergulho na grande barreira de coral, ao lado do marido, com quem havia casado 11 dias antes.

David, um mergulhador experiente, não inflou o colete salva-vidas da vítima, nem retirou os lastros quando a esposa começou a passar mal. Também deixou que ela afundasse enquanto buscava ajuda.

A investigação revelou que outro mergulhador viu que o marido mantinha a esposa sob a água e em 2008 concluiu que o ato foi um possível homicídio, com o objetivo de receber o dinheiro do seguro de vida da vítima.