Peregrinos muçulmanos dão início aos últimos rituais do hajj

MINA, Arábia Saudita - Quase três milhões de peregrinos muçulmanos, vestidos com a tradicional roupa branca da ocasião, apedrejaram simbolicamente o demônio no vale de Mina, perto de Meca, nesta quarta-feira, na última etapa do hajj.

Na terça-feira, os peregrinos atiraram pedras na Jamarat al-Aqaba, a maior das três colunas que representam satã. Nesta quarta-feira, no entanto, as três colunas foram alvejadas. Os rituais de apedrejamento continuarão ainda na quinta-feira, antes do hajj, maior e mais longa peregrinação religiosa do mundo, na sexta-feira.

"Graças a Deus. Cumpri um dos deveres do hajj", disse o sírio Ibrahim al-Assad, de 27 anos, ao deixar o complexo de Jamarat. "Senti que estava realmente apedrejando Iblis (nome árabe para o demônio). Senti que o estava insultando e declarando que não irei segui-lo", acrescentou.

Na tradição islâmica, Iblis é um anjo mau que não cumpriu a ordem de Alá de se prostrar perante Adão, afirmando que, por ter sido criado a partir do fogo, é superior a ele, feito do barro.

O anjo caído disse a Deus que trabalharia incansavelmente para impedir que Adão e seus filhos obedecessem a Ele. Assim, foi expulso do paraíso junto com Adão e Eva, depois de convencê-los a comer o fruto proibido, de acordo com a tradição islâmica.

"Estou afastando (o demônio) de mim", disse Khalaf Bayoush, 30, também da Síria, depois de atirar suas pedras contra as três paredes que representam Iblis.