Gregos protestam em aniversário de revolta contra militares

Milhares de pessoas marcharam nesta quarta-feira em Atenas contra as medidas de austeridade do governo, por ocasião da comemoração da revolta estudantil de 1973, reprimida de forma violenta pelo regime militar da época.

Segundo a polícia, cerca de 20 mil pessoas, principalmente estudantes, trabalhadores e membros de partidos de esquerda, participaram desta manifestação organizada na capital, na qual se uniram aposentados e inclusive crianças acompanhadas dos pais.

Como em todos os anos, os manifestantes marcharam ao longo de 3 km para lembrar a revolta estudantil, mas dessa vez também aproveitaram para protestar contra as medidas de austeridade adotadas pelo governo para enfrentar a crise que sacode o país.

Ante a embaixada americana, ponto sensível do percurso, gritaram slogans contra os Estados Unidos, mas a maioria dos cartazes fazia referência à atual crise financeira.

"Pagamos seus benefícios, não pagaremos sua crise", "Contra a austeridade e a submissão", podiam ser lidos em diversos cartazes de tom fortemente anticapitalista. "Eles querem nos declarar guerra, devemos contra-atacar", gritavam os manifestantes.

No fim do protesto, a polícia prendeu mais de 40 pessoas, após disparar bombas de gás lacrimogêneo contra um grupo de manifestantes que lançava pedras e garrafas nos agentes.

Outros cinco manifestantes foram detidos na localidade de Patras e postos em liberdade pouco depois, após um protesto de dimensões muito menores.

Cerca de 12 mil pessoas marcharam em Tessalônica, a segunda maior cidade do país.