Detectado primeiro caso de cólera na República Dominicana

 

 Um primeiro caso de cólera foi detectado nesta terça-feira na República Dominicana, país vizinho ao Haiti, onde a epidemia já matou mais de mil pessoas, informou o ministro da Saúde Pública, Bautista Rojas.

O paciente é "Wilmont Lowel, de 32 anos, um haitiano que está internado em um hospital da cidade de Higuey", no leste do país, a 140 km de Santo Domingo, declarou Rojas à imprensa.

Há duas semanas, o governo dominicano estabeleceu severos controles para impedir a chegada da cólera ao país, limitando ao máximo a entrada de haitianos e o comércio bilateral.

Segundo Rojas, Lowel trabalha em construção na cidade de Higüey e viajou ao Haiti no dia 29 de outubro, voltando à República Dominicana em 2 de novembro.

Até o momento, 1.034 pessoas morreram devido à epidemia de cólera no Haiti, segundo o último boletim oficial, divulgado nesta terça-feira.

República Dominicana e Haiti compartilham a ilha de Hispaniola e uma fronteira de 376 km, onde há intensa circulação de pessoas e de mercadorias.

Rojas disse que a população deve ficar tranquila e observar as normas de higiene indicadas pelas autoridades de saúde para se evitar a cólera.

A doença, causada por uma bactéria, é transmitida pela água e por alimentos, e provoca violenta diarreia. .

Surto de cólera

O surto de cólera avança no Haiti. Pelos últimos dados, mais de mil pessoal morreram e cerca de 15 mil foram contaminadas. Em seis das dez províncias do país, a doença foi registrada. Equipes médicas tentam evitar que o cólera se espalhe pelos campos na capital, Porto Príncipe, que servem de lar para mais de 1 milhão de desabrigados pelo terremoto de janeiro.

Organização das Nações Unidas (ONU) informou que mais de 200 mil haitianos têm cólera. A epidemia começou no vale do Rio Artibonite no meio do mês de outubro. Inicialmente parecia ter sido contida, mas a passagem do Furacão Tomas, no início de novembro, causou inundações que teriam contaminado, com a bactéria, comunidades de desabrigados que já passavam por dificuldades.

O comando das Nações Unidas apelou para que doadores internacionais repassem US$ 164milhões a projetos do governo haitiano destinados a conter o avanço da epidemia de cólera.

O porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS) em Genebra, Gregory Hartl, alertou que a doença infecciosa está se alastrando pelo território do Haiti. Para especialistas em saúde, as condições sanitárias precárias, assim como as inundações e deslizamentos de terra causados pelo Furacão Tomas, aceleram a disseminação do cólera. 

Com informações AFP e Agência Brasil