Estado palestino pode pedir reconhecimento dos EUA

O negociador palestino Saëb Erakat declarou em Tanger, no Marrocos, que se os Estados Unidos não conseguirem impor a Israel o cessar da colonização, os palestinos poderão pedir ao país americano o "reconhecimento do Estado palestino em suas fronteiras de 1967".

"Se os Estados Unidos não conseguirem impor a Israel o cessar da colonização durante este mês, o próximo passo para nós seria pedir aos Estados Unidos o reconhecimento do Estado da Palestina em suas fronteiras de 1967", afirmou à AFP o negociador palestino, à margem de um debate em Tanger sobre o Oriente Médio intitulado "Quais as iniciativas para reativar o processo de paz?"

"Se não conseguirem obter (o fim da implantação das colônias), nós, como Palestina, membro observador da ONU, (também) iremos ao Conselho de Segurança para apresentar um pedido de adesão do Estado palestino segundo suas fronteiras de 1967", acrescentou.

O encarregado palestino fez estas declarações durante a terceira edição do fórum internacional MEDays 2010, realizado pelo Instituto Amadeus, uma "fábrica de ideias" (think tank) marroquina, até o dia 13 de novembro.

Além de Erakat, participaram dos debates o deputado israelense e membro do partido trabalhista Daniel Ben Simon, o congressista americano Keith Ellison, o conselheiro do rei Mohamed VI André Azoulay e o representante especial da União Europeia para o processo de paz no Oriente Médio, Marc Otte.

A iniciativa árabe de paz que propõe a Israel a paz em troca de territórios foi levantada durante o fórum por ser um "importante meio para conquistar a paz entre israelenses e palestinos".