Venezuela: dirigentes de associação patronal são atacados e sequestrados

     CARACAS - O presidente da associação patronal venezuelana Fedecámaras e outros três diretores foram atacados e permaneceram sequestrados por várias horas na noite de quarta-feira, informou a emissora Globovisión. "Vínhamos chegando à sede da Fedecámaras de um jantar, quando uma caminhonete nos ultrapassou a toda velocidade por um lado. Quando freamos, começaram a disparar sem dizer nada. Três tiros atingiram a ex-presidente (da patronal) Albis Muñoz", contou Noel Álvarez, presidente da associação, pelo telefone à Globovisión. "Depois, nos tiraram do carro e começaram a nos bater. Ficamos dando voltas por Caracas durante duas horas e depois nos soltaram".

Muñoz, que levou dois tiros no peito e um no braço, foi abandonada pelos agressores "perto de um hospital", segundo Álvarez. Seu estado de saúde é estável.

"Se isso é uma tentativa de nos amedrontar, não vamos nos deixar intimidar. Eu quero pedir às autoridades que iniciem uma investigação para saber o que aconteceu", destacou Noel Álvarez.

"Disseram que foi um crime comum, e o governo tem a responsabilidade de protegar todos os cidadãos", destacou o presidente da Fedecámaras, feroz crítico do presidente Hugo Chávez.

De acordo com dados extraoficiais, cinco pessoas são sequestradas por dia na Venezuela, país que em 2009 registrou o assustador recorde de mais de 19 mil mortes violentas no ano.