EUA: oferta birmanesa de libertar Suu Kyi é 'manipulação'

O porta-voz do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Philip Crowley, classificou como "manipulação mesquinha" os comentários da junta no poder em Mianmar que afirmou que poderia libertar a líder opositora birmanesa Aung San Suu Kyi, após as eleições de 7 de novembro.

Crowley exigiu que Mianmar liberte todos os presos políticos e autorize Suu Kyi a participar das eleições previstas para 7 de novembro.

O chanceler birmanês informou aos colegas do sudeste asiático que a opositora Aung San Suu Kyi, em prisão domiciliar, "talvez" seja libertada após as eleições, informou à AFP em Hanoi (Vietnã), uma fonte diplomática asiática.

O ministro birmanês Nyan Win reuniu-se na noite de quarta-feira durante um jantar com seus sócios regionais da Associação de Países do Sudeste Asiático (Asean), à margem de uma cúpula que começa na capital do Vietnã, esta quinta-feira.

Ele "disse que libertariam Aung San Suu Kyi talvez depois das eleições", informou a diplomata, afirmando que o ministro não tinha mencionado uma data prevista.