ONU divulga estatísticas e tendências sobre as conquistas alcançadas pelas mulheres

 

Apesar dos avanços já conquistados pelas mulheres, em todo o mundo, ainda há muitos pontos em que as desigualdades continuam prevalecendo. Um dos mais relevantes, e amplamente discutido, continua sendo a violência. De acordo com um estudo da Organização das Nações Unidas, esta é uma questão mundial e que afeta mais da metade das mulheres.

O relatório divulgado pela ONU, nesta quarta-feira, intitulado ‘As Mulheres do Mundo 2010: Tendências e Estatísticas’, revela os progressos alcançados pelo sexo, e as questões que ainda devem ser aprimoradas. O documento foi dividido em oito áreas distintas, apresentando as principais questões enfrentadas por elas.

 

1 – População e Família

·         * A população mundial triplicou no período de 1950-2010, com aumento de quase 7 bilhões

·         * Há aproximadamente 57 milhões de homens a mais do que mulheres no mundo, na maioria dos países há mais homens que mulheres

·         * Existem mais garotos e homens em grupos mais jovens e mais mulheres em grupos mais velhos

·         * A fertilidade está em constante declínio em todas as regiões do mundo, mas ainda permanece alta em algumas regiões da África

·         * A expectativa de vida continua crescendo, com mulheres vivendo mais do que homens

·         * A migração internacional está crescendo. Há mais mulheres migrando, e em certas áreas, superam o número de homens

·         * A idade de casamento das mulheres continua aumentando, e continua elevada para os homens

·         * A vida familiar feminina é sobrecarregada de carga de trabalho, embora em alguns países a diferença já tenha diminuído significativamente

      2 – Saúde:

·         * Mulheres vivem mais do que homens em todas as regiões

·         * Duas em cada cinco mortes de homens e mulheres na África continuam sendo causadas por infecções e doenças de parasitas

·         * Mulheres são mais propensas do que homens a morrer de doenças cardiovasculares, especialmente na Europa

·         * Câncer de mama entre mulheres e câncer de pulmão entre os homens, estão no topo da lista dos novos tipos da doença no mundo

·         * Mulheres constituem a maioria dos adultos infectados pelo vírus HIV na África Subsaariana, Norte da África e Oriente Médio

·         * A maioria dos mais de meio milhão de mortes maternas, em 2005, ocorreu em países em desenvolvimento

·         * A proporção de mulheres gestantes que recebem os cuidados pré-natais está crescendo em muitas regiões

·         * Apesar dos esforços de redução, África continua sendo a região de maior mortalidade infantil

·         * Não há significativas discrepâncias na proporção entre meninos e meninas abaixo do peso

      3 – Educação:

·         * Dois terços dos 774 milhões de adultos analfabetos do mundo são mulheres – a mesma proporção para os últimos 20 anos e para a maioria das regiões

·         * A taxa de alfabetização de jovens aumentou em 89%, enquanto a diferença entre os sexos diminui em 5 pontos percentuais

·         * Diferenças entre meninos e meninas inscritos no ensino primário tem diminuído na maioria dos países, mas a paridade ainda é uma realidade distante para alguns

·         * 72 milhões de crianças em idade escolar não freqüentam a escola, entre eles, cerca de 39 milhões, 54%, são meninas

·         * Apesar das matrículas na escola secundária aumentarem, poucos países estão perto da paridade dos sexos no ensino primário

·         * No terceiro grau, a liderança dos homens foi globalmente revertida, exceto na África Subsaariana e na África do Sul e na parte Sul e Ocidental da Ásia

·         * Mulheres no terceiro grau escolar são pouco representadas nos campos da ciência e engenharia; entretanto, elas dominam na educação, saúde e bem-estar, ciências sociais, e humanidades e artes

·         * No mundo todo as mulheres representam pouco mais de um quarto de todos os pesquisadores científicos – um crescimento comparado com décadas passadas, mas ainda um número muito longe da paridade

·         * Acesso à internet cresceu exponencialmente na década passada, estreitando a divisão digital, entretanto, mulheres ainda não tem o mesmo nível de acessos dos homens na maioria dos países

      4 – Trabalho:

·         * A participação das mulheres no mercado de trabalho manteve-se estável nas duas décadas – de 1990 a 2010 – enquanto para os homens decresceu constantemente no mesmo período; a diferença de sexos na participação da força de trabalho continua considerável em todas as idades

·         * Mulheres são cada vez mais empregadas nos setores de serviço

·         * Trabalhos vulneráveis – por conta própria e contribuições em empregos de família – predominantes em muitos países da África e Ásia, especialmente entre mulheres 

·        * O setor informal é uma importante fonte de emprego para homens e mulheres, nas regiões menos desenvolvidas, mas mais para as mulheres

·        * A segregação ocupacional e as diferenças salariais por sexo continuam persistindo em todas as regiões

·        * Emprego a tempo parcial é comum para mulheres na maioria das regiões mais desenvolvidas, e em algumas menos desenvolvidas; está crescendo em todas as partes, entre homens e mulheres

·        * Mulheres gastam, no mínino, o dobro do tempo que os homens em tarefas domésticas, e, considerando todo o trabalho, gastam mais horas do que os homens

·        * Metade dos países do mundo conhecem o novo padrão internacional da licença maternidade, mas ainda existe uma diferença entre e lei e a prática, e muitos grupos de mulheres não são abrangidos pela legislação

     5 – Poder e tomada de decisão:

·         * Tornar-se chefe de Estado ou de Governo ainda é algo indefinido para as mulheres, com apenas 14 delas, em todo o mundo, ocupando estas posições

·         * Em apenas 23 países as mulheres compõem uma massa crítica – mais de 30%

·         * No mundo, apenas um em cada seis ministros são mulheres

·         * Mulheres são pouco representadas nas posições de tomada de decisão em níveis governamentais

·         * No setor privado, mulheres continuam sendo pouco representadas nas posições de tomada de decisão

·         * Apenas 13 das 500 maiores corporações do mundo tem uma mulher como chefe executiva

      6 – Violência:

·         * Violência contra a mulher é um fenômeno universal

·         * Mulheres são submetidas a diversas formas de violência – física, sexual, psicológica e econômica – tanto dentro quanto fora de suas casas

·         * Taxas de mulheres vítimas de violência física, pelo menos uma vez na vida, variam por volta de 59%, dependendo do lugar onde moram

·         * Estatísticas de violência contra a mulher constituem uma fonte limitada de informação, e as definições e classificações requerem mais trabalho e harmonização a nível internacional

·         * Mutilações genitais femininas tiveram um ligeiro declínio

·         * Em muitas regiões de antigos costumes, há uma pressão para mulheres aceitarem abusos

7 – Meio ambiente:

·         * Mais da metade das famílias rurais e aproximadamente um quarto das urbanas, na África Subsaariana, não tem fácil acesso às fontes de água potável, e a maior parte desses encargos recaem sobre as mulheres

·         * A maioria das famílias na África Subsaariana e do Sul e Sudeste da Ásia usam combustíveis sólidos para cozinhar, com fogo aberto ou fogões tradicionais sem chaminé, afetando a saúde das mulheres

·         * Menos mulheres do que homens participam do alto nível de tomada de decisões relacionadas ao meio ambiente

      8 – Pobreza:  

·         * Famílias de mães solteiras com crianças mais novas são mais propensas a serem pobres

·         * Mulheres são mais propensas a serem pobres do que homens que moram sozinhos em muitos países

·         * Mulheres são pouco representadas entre os pobres mais velhos na maioria das regiões desenvolvidas

·         * Na maioria dos países da África e alguns da Ásia, existem leis de limite de acesso das mulheres a terras e outros tipos de propriedades

·         * Mulheres casadas das regiões menos desenvolvidas não participam das decisões dos gastos familiares, principalmente na África

 

Confira aqui o relatório na íntegra