ONU afirma que ao menos 377 pessoas morreram nas enchentes na África

As enchentes na África Ocidental e no Centro do continente, provocaram a morte de ao menos 377 pessoas e afetam quase 1,5 milhão de habitantes desde o início da estação das chuvas em junho de 2010, informou nesta terça-feira o Escritório de Coordenação dos Assuntos Humanitários das Nações Unidas (Ocha).

"O ano de 2010 registrou o maior número de pessoas afetadas e mortas por causa das inundações", informou em seu boletim, recebido pela AFP em Dacar.

Os países que registraram o maior número de mortos foram Nigéria (118), seguido por Gana (52), Sudão (50), Benin (43), Chade (24), Mauritânia (21), Burkina Faso (16), Camarões (13), Gambia (12) e outros países com menos de 10 mortos.

Os países que contabilizam mais pessoas afetadas são Benin (360 mil), seguido por Nigéria (300 mil), Níger (226.611), Chade (150 mil), Burkina Faso (105.481), Sudão (74.970), Mauritânia (50.815) e outros países com menos de 50 mil vítimas.

"As enchentes vieram agravar a situação no Níger e no Chade, países que já passavam por uma grave crise alimentar", informou o comunicado. "Na Nigéria, em Camarões, no Níger e no Chade, as chuvas causaram uma epidemia de cólera", acrescentou.

Além disso, as intempéries "perturbaram o início do ano escolar em vários países e causaram perdas em termos de infraestrutura socioeconômica, de habitação e agrícola", revelou ainda a agência da ONU.

Em 2009, as inundações mataram 195 pessoas na África Ocidental e afetaram 823.291 africanos.