Greve deixa Buenos Aires tomada pelo lixo

As ruas da capital argentina e sua povoada periferia estão tomadas por sacos de lixo, em consequência de uma greve que atinge 14 milhões de habitantes e faz as autoridades avalariarem a decretação de uma emergência sanitária.

A paralisação dos trabalhadores da estatal Coordenação Ecológica da Área Metropolitana teve início no domingo. Eles pedem a realização das obras prometidas para a construção de novos centros de processamento de resíduos.

O chamado cinturão ecológico, localizado a 40 km a noroeste de Buenos Aires, processa cerca de dois milhões de toneladas de resíduos anuais. Somente na capital argentina são gerados quase 5.000 toneladas diárias de lixo.

Lorena Pujó, do movimento Greenpeace, acusou o governo da capital de não cumprir a lei do "lixo zero", que estabelece para 2012 reduzir 30% dos resíduos que o distrito leva para os aterros sanitários, em relação a 2004, até chegar a zero, em 2020.