Ex-presidente vai processar Correa por acusação de tentativa de golpe no Equador

O ex-presidente do Equador Lucio Gutiérrez anunciou nesta quarta-feira em Quito que vai processar o presidente Rafael Correa por danos morais por ter tido seu nome ligado a uma tentativa de golpe de Estado que deixou dez mortos e 274 feridos.

"O presidente da República terá que provar suas acusações e, desde já, digo ao país que vou apresentar uma queixa por danos morais contra o presidente e seu entorno", disse Gutiérrez ao voltar do Brasil, onde acompanhou as eleições presidenciais de domingo como observador.

O ex-mandatário, que estava em território brasileiro quando um grupo de policiais equatorianos se revoltou na quinta-feira passada, rejeitou as acusações de Correa, que responsabiliza Gutiérrez e seu partido Sociedade Patriótica pela tentativa de golpe.

"Rejeito as falsas, temerárias e covardes acusações de Rafael Correa", disse à imprensa Gutiérrez, um coronel da reserva do Exército que foi derrubado em abril de 2005 e que é um dos líderes da oposição.

Ele enfatizou que "o que houve foi um auto-golpe de Estado".

"Não tenho nada contra o presidente Correa, até o convidaria para tomar um café", disse Gutiérrez, que acrescentou: "temos que nos unir e derrotá-lo de forma democrática".