EUA deportaram recorde de 392.000 ilegais no último ano

WASHINGTON, 6 Out 2010 (AFP) -Os Estados Unidos deportaram um recorde de 392.000 imigrantes ilegais no último ano, 195.000 deles com acusações criminais, informou nesta quarta-feira a secretária de Segurança Nacional, Janet Napolitano.

O número de deportados durante o ano fiscal de 2010 (outubro de 2009 e setembro de 2010) é superior ao recorde anterior, de 389.000 deportados, alcançado no ano fiscal anterior, e a quantidade de pessoas com acusações criminais expulsas do país em relação a esse período aumentou em 81.000.

"Este governo centrou-se em velar pelo cumprimento de novas leis de imigração de uma maneira sensata e eficaz, que dá prioridade à segurança pública e nacional", disse Napolitano em coletiva de imprensa.

"Esta estratégia produziu resultados históricos, e foram deportados mais delinquentes estrangeiros condenados que nunca antes, e foram emitidas mais sanções que durante todo o governo anterior contra empregadores que infringem as leis de imigração", afirmou.

Napolitano declarou que o enfoque de sua agência estava centrado em deportar criminosos, ao desestimar críticas que acusam o departamento de Segurança Nacional de priorizar a deportação de algumas pessoas sobre outras.

"Temos um conjunto de prioridades e priorizamos os criminosos", afirmou Napolitano. Mas "este departamento está encarregado de fazer a lei ser cumprida", completou.

"Temos por lei a possibilidade de deter uma ação (de deportação) e o fizemos por razões humanitárias quando estudamos caso a caso", disse.

A secretária de Segurança Nacional defendeu uma reforma migratória integral, que abra uma via para legalizar os 11 milhões de ilegais - a maior parte deles hispânicos - que vivem nos Estados Unidos.

A iniciativa não teve maior avanço no Congresso, onde a oposição republicada reclama maior segurança fronteiriça.

O governo de Barack Obama fez "todos os esforços para tornar a fronteira segura" do sudoeste, afirmou Napolitano.